(Sim, sei, vocês não sabem de que estou falando porque a beleza desapareceu há muito tempo. Ela desapareceu sob a superfície do barulho - barulho das palavras, barulho dos carros, barulho da música - no qual vivemos constantemente. Está submersa como a Atlântida. Dela só restou uma palavra cujo sentido é a cada ano menos inteligível.)
[Milan Kundera]

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Conselho de mãe

Era manhã,
era escuro,
era manhã demais ainda.

Era quente,
era meu quarto,
era fechado demais ainda.

E minha mãe me disse, sábia:
-Coloca uma blusa, filho,
lá fora está frio.

E leve um cachecol,
vai esfriar ainda mais à tarde.
Deu no jornal.

Estava quente ainda,
era meu quarto,
e estava fechado demais.

Saí para o Sol sem nuvens
que despontava aos poucos na janela.
Saí atrasado demais.

- Leva uma blusa, filho,
nunca se sabe
a temperatura que pode fazer.

É muito imprevisto, filho,
no teu quarto tá quente porque tá fechado.
Lá fora pode estar frio.

Deu no jornal.

2 comentários:

Autora escondida disse...

Conselhos de mãe sempre se confirmam. É o tipo de previsão que não se pode ignorar. E você conseguiu mostrar isso de maneira linda nesse poema... adorei, mesmo.
Beijo

Tyny disse...

Vagando,entre os blog és que deparo-me com o teu adorei.