(Sim, sei, vocês não sabem de que estou falando porque a beleza desapareceu há muito tempo. Ela desapareceu sob a superfície do barulho - barulho das palavras, barulho dos carros, barulho da música - no qual vivemos constantemente. Está submersa como a Atlântida. Dela só restou uma palavra cujo sentido é a cada ano menos inteligível.)
[Milan Kundera]

domingo, 31 de maio de 2009

Cacos de ontem



Mordi copo de cristal

Achando que era a lua

E achando que estava nua

E que era noite de Natal


Bebi do vinho branco

Bebi da via-láctea

E a lembrança asmática

Fez-me sentir-me mal.


Mas você não viu os cacos na boca

Achou que meus gritos eram de louca

Achou que o grave da voz era rouca

E não percebeu que eu beijei tua roupa

E não percebeu que eu cheirei tua boca

Porque o teu cheiro estava na pele, na perna, na porta

Teu cheiro estava tanto em cada poro

Que eu te buscando era você, respirar.

O meu choro, a tua saliva, era você

Era você demais pra notar eu

E que eu não queria te dar

O prazer quebrado, sórdido, ateu

De me ver comer, quebrar.


Não pode ver meu vestido branco,

Só no dia do casamento,

Bolo de andares e andaime, vendaval

O relógio parou às sete, e você.


Um menino veio brincar, não vi.

Os ratos circulam na platéia, baratas.

Você bebeu do vinho tinto, na taça de vidro

Que eu mordi e enchi com vida, o vinho de Deus.


Sob a luz de quatro sóis, cai,

Sobre a sombra de quatro corpos, cai.

Sobre quatro sombras de alma, cai

Sob quatro focos de luz, teus dentes

Sobre quatro pares de olhos, sorriu

E das quatro vezes dez dedos, que tentaram te agarrar,

Sete, sete vezes você sumiu, das minhas garras de plástico.


Os sons das flautas dos anjos ouvi,

Caindo do céu e quebrando, em mil cacos de vidro.

5 comentários:

Conceição Duarte disse...

Que maravilha de poema. De sentimentos, palavras, ritmo, prazeres e tudo que envolve a gente.

Um beijo, CON

Carol Duca. disse...

adorei seu blog.

sorte pra você.

millionways disse...

Ga, que lindo!

Cada vez gosto mais do que você escreve =)

bjão!
Ing

claudia_crioulo disse...

O melhor de toooodos, Gá.

Autora escondida disse...

Parece letra de música do Chico Buarque.