(Sim, sei, vocês não sabem de que estou falando porque a beleza desapareceu há muito tempo. Ela desapareceu sob a superfície do barulho - barulho das palavras, barulho dos carros, barulho da música - no qual vivemos constantemente. Está submersa como a Atlântida. Dela só restou uma palavra cujo sentido é a cada ano menos inteligível.)
[Milan Kundera]

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Há livros que não foram feitos para serem lidos.

O LIVRO DO DESASSOSSEGO


Leio bastante, acho, para um adolescente de 17 anos. E tento ler de tudo, dando especial atenção aos livros que dizem ser demais para minha idade ou nível de conhecimento.
O Livro do Desassossego não me foi recomendado e nem mal recomendado por ninguém, a não ser pelo próprio organizador da edição da Cia. de Bolso que disse na introdução ser o L. do D. um des-livro que faz parte (ou só caberia, não lembro bem) numa des-biblioteca. E que é uma "coisa", como disse o mesmo organizador, Richard Zenith.
Comprei o livro de manhã, no fim do ano passado, num dia de cursinho. Li algumas páginas, vinte, se quiser ser quase exato, e terminei o dia triste, chorando pesado e em silêncio antes de dormir. Esse livro me faz mal.
Conversando com outros alunos de Letras da Universidade de São Paulo, confirmei minha teoria: não sou sentimental demais. O livro realmente faz mal.
Um professor de cursinho de uma das minhas amigas disse que ganhou uma cópia do Livro de um aluno dele, e completou: há livros que a gente ganha, e tem, ficam guardados, mas a gente não lê. Tem livro que não é pra ser lido.


Aos interessados:
http://ateus.net/ebooks/acervo/o_livro_do_desassossego.pdf

Nenhum comentário: